segunda-feira, 31 de março de 2008

A Verdade das crianças...

Ainda me lembro da minha primeira “verdade de criança” que me custou um castigo e, pior que isso, ter que dar o dito pelo não dito. Teria os meus 4 ou 5 anos, vivia com os meus tios e eles tinham uma vida social muita activa. Havia festas lá em casa e íamos a muitas festas em casa de amigos, era no tempo em que não havia Televisão (acho que na Madeira só chegou em 71, ou 72 ). Nesse grupo de amigos dos meus tios, havia uma senhora com que eu embirrava solenemente, e numa dessas festas, quando a dita senhora chegou, eu recusei-me a beijá-la. “Porque é que não dás um beijo à Dona Fulana”, perguntava minha tia já com cara de “generala”...e eu nada. Começou minha tia a insistir, meu tio meteu-se ao barulho...toda a gente se calou para apreciar melhor a birra do puto (eu) ..e foi quando todos se calaram que falei eu. “Não lhe beijo porque ela é feia”. O que eu fui dizer!!!!. Já não me lembro bem se era feia ou não, eu embirrava com ela porque ela vinha sempre cheia de uma maquilhagem excessiva, principalmente a cara tinha demasiado creme, e cada vez que a beijava parecia que tinha acabado de beijar uma lata de banha de porco, ficava lambuzado, aquilo enojava-me, e ela quando retribuía ficava eu com um desenho perfeito de uns lábios numa das minhas bochechas. Como não sabia explicar tudo isso...saiu-me o tal “Porque ela é feia”. Tentei simplificar e lixei-me. Entrou logo a disciplina militar em acção. Pede já desculpa à Dona Fulana, e eu a muito contra gosto, lá pedi desculpa àquela lata de banha ambulante. Depois ...bem, depois tinha que vir a humilhação: “Diz à Dona Fulana que ela é bonita”...e custou-me muito, mesmo com 4 anos, ter que dar o dito pelo não dito...ou seja, ter que mentir. Mas menti, e disse à Dona Fulana que ela era bonita.

Este episódio fez-me lembrar mais uma história do tal “amigo” italiano ( eu chamo sempre “amigo” a quem cito). Perante o Dr. Juiz uma Senhora apresenta queixa de um homem pelo facto de ele lhe ter chamado “camela”. O Dr. Juiz, dá um sermão ao homem dizendo que ele efectivamente não pode, pela lei, chamar camela à senhora, que é proibido e que tem que o multar. Então, o homem pergunta ao Dr. Juiz se chamar Senhora a uma camela é proibido por lei. O Dr. Juiz diz-lhe que não. Nesse momento, o homem volta-se para a queixosa, e inclinando-se ligeiramente chama-lhe “Senhora”.

Como eu gostaria de ter conhecimento desta história há 44 anos atrás.... Ter-me-ia voltado para a Dona Fulana e ter-lhe-ia chamado: Bonita

10 comentários:

Pink disse...

Hi...hi...hi...
Até me custa estar aqui e conter o riso, mas tenho gente na sala ao lado e não quero passar, de novo, por maluquinha (ainda bem q ñ sou de Arroios!).
Mas histórias...contas tu! Tive de ir espreitar posts antigos porque tens um modo especial em contar as coisas. E contas com cada uma!!!
Posso até nem conmentar, mas sempre q me liga à internet (ñ será todos os dias)...lá terei de ir às Nunices "bilhardar".
Olha...em vez de tomar Xanax, venho aqui e fico com melhor astral.
Ah...agradeço tb a visita.
Até!

Nuno disse...

Pink,

Ainda bem que te divertiste, é um dos objectivos quando conto estas tontices, estas nunices. Compartir momentos que agora me parecem divertidos... mas que naqueles momentos me marcaram de alguma modo.

Não tomes Xanax...vens aqui e vais ao Xanax da Su...faz menos mal e sempre te distrais.

Até sempre

Shinobi disse...

Mais uma fantástica estória, do amigo Nuno!
Eu julgo que disseste "feia",porque a maioria das crianças de tenra idade associa essa expressão a tudo o que é mau (embora eu não duvide que a senhora em questão fosse feia, a fazer fé na tua descrição :).
Agora de facto, essa situação é sempre embaraçosa para os familiares, lol!
Comigo aconteceu uma situação parecida, mas foi com a chefe da minha mãe à altura, embora tenha a impressão que tenha dito uma coisa do género "tu és má, não gosto de ti!"

Grande abraço!

Nuno disse...

Pois é amigo Jorge.
Acho que naquele dia não me apetecia lamber banha...e saiu-me a "verdade das crianças"...como deves calcular, nunca mais pude com a mulher, mas que tive que lamber banha mais vezes...tive. Era um castigo quando sabia que ela vinha à festa, e parecia que ela fazia de propósito....muita cremalheira na fuça para o Nuno beijar-me.

Um Abraço

blueminerva disse...

Bestial! Quase conseguimos visualizar a cena. Mas diz-me Nuno, essa aversão a quilos de maquilhagem ainda se mantém? Eu da minha parte, detesto ter de cumprimentar alguém (com um beijo na face) que tenha a cara lambuzada de maquilhagem... yack!
Um abraço

Nuno disse...

blueminerva,

Sim, mantém-se. Virou trauma de infância. Quando vejo uma face mais luzidía, penso logo: Já fui. O que me difere desde então é andar sempre com lenço...e ser mais discreto.
Um Abraço

BaBy_BoY_sWiM disse...

Eheheh...

As suas histórias deliciam-me...

Mal posso esperar pelo próximo post!

Isso seria um genero de Falar verdade a mentir?! ehehe

Nuno disse...

BBS,

Ainda bem que gostas, já sabes que podes vir sempre, nem que seja para tomarmos um copo.

Sabina diz que "meia verdade, não é igual a meia mentira"... aquilo era um misto das duas ...

Um Abraço

Flávio disse...

Eu sempre fui naturalmente mentiroso, desde criança.

Nuno disse...

Flávio,

Deixa lá, "uma mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer"

Um Abraço..e aparece sempre